Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

terça-feira, 30 de agosto de 2011

OS VÔOS DA PAIXÃO



A paixão é como um avião:

Às vezes está acima das nuvens,

Às vezes está rente ao chão.

Às vezes enfrenta grandes tempestades,

Às vezes o céu é azul de só felicidades.

Quanto maior for o avião, numa queda,

Maior será o sofrimento da tragédia.

Também, quanto maior for a paixão,

Quando uma das partes se arreda,

À outra: grande queda, dor, tragédia.

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

CONTRA OS MAUS SENTIMENTOS




Ó Senhor,

Dá-me forças para eu me livrar do rancor

Que transforma meu semblante

Numa máscara horripilante!

Que a força benfazeja do amor,

Possa limpar meu coração

Do ódio que me causa dor

E entenebrece minha visão!

Que a energia suave da bondade

Possa, das minhas veias, anular o veneno,

Que circula por tudo o meu corpo – me corroendo!

Que a força do Bem

Que governa toda a Criação,

Possa acalmar meus pensamentos - em erupção!

Livra-me, Senhor, de pensar em vingança,

Inspira-me a ideia do perdão!

Que eu não desista da luta e nem perca a esperança!

Que a mensagem do Mestre Jesus

“Amar a Deus Sobre todas as coisas

“E ao próximo como a mim mesmo.”

Seja, em meu caminha, luz,

Jamais se transforme em palavras a esmo!

Que sua maior lição:

“Quando lhe bater numa face,

Dê-lhe a outra” possa ecoar no meu coração!

Que eu possa, a quem me magoar, fazer uma prece.

OS PRIMEIROS POEMINIS PUBLICADOS NA CASA DA POESIA






O VALOR DA PESQUISA



Se o homem pesquisa, para tudo, acha resposta precisa.

Através da pesquisa, em todas as áreas, o progresso se realiza.

Com a pesquisa, todo o conhecimento humano se atualiza.

A pesquisa valoriza o conhecimento que está na Natureza,

O conhecimento a nós legado pelos nossos antepassados,

O conhecimento nos livros exarados e por séculos guardados.

Há muito tipo de pesquisa: pesquisa de campo, de laboratório,

Pesquisa bibliográfica, universitária, científica, metodológica,...

Todo o setor de atividade humana carece de pesquisa lógica.

O estudante que não pesquisa não atingirá a meta que visa.

O professor deve ensinar a busca do Saber através da pesquisa.

O poeta tem nos dicionários uma ótima fonte de pesquisa.

A pesquisa está na essência do ser humano que sempre a utiliza.

Curiosidade, desejo de comodidade são alavancas da pesquisa.

Viva a pesquisa! O espírito humano a criou e muito bem a utiliza.

domingo, 28 de agosto de 2011

O PRESO E A PRISÃO



Numa noite de insônia, a alma não sonha,

Enclausurada no corpo – a prisão é medonha!

O corpo, com disfunção hormonal – sempre teso,

Não liberta a alma e lhe impõe todo o peso!

Ou seria o inverso, a alma sempre alerta,

Prefere ficar no corpo, que sentir-se liberta?

Então, infunde energia ao corpo – que aceso,

À alma que nunca dorme – serve insone, leso!

sábado, 27 de agosto de 2011

SEM BRINDAR AO AMOR




A Vida não brindou comigo ao amor!

Transmutou esse sentimento em destemor,

Para que eu agüente a parte de dor que me cabe!

Mas, há horas que me bate uma anseia de amar,

Quem ninguém imagina nem sabe!

Um casal apaixonado é, por mim, invejado.

Uma música ou filme romântico não me distrai!

Meu peito fica tão apertado, só me resta dizer – ai!

NA REFREGA DA VIDA



É no calor da luta,

Que incrível força oculta

Manifesta-se, acionada

Por um dispositivo

Como o de uma granada!

Da Vida, a luta é um impositivo,

Vida sem desafio não leva a nada,

As potências latentes, num ser inativo,

Não usadas, fazem dele um morto vivo!

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

“MELHOR SÓ,...”




Não sei de que jeito,

Encravou no meu peito,

Um sentimento vassalo,

A ti totalmente submisso:

Tu falas, eu me calo...!

Se falo – que isso...!

Tu aprontas o maior reboliço!

Como tudo tem seu limite,

Hoje acordei com um palpite:

Darei um basta no teu humor de gastrite!

“Melhor viver só, que mal acompanhado”!

Ninguém te merece como fado!




quinta-feira, 25 de agosto de 2011

MATURIDADE



Tenho me tornada um cara esquisito,

Já não há em mim tanto conflito!

A vida com suas querelas,

Para mim, tornou-se balela!

Um sossego, um desapego

Invade minh’alma – não nego!

De gente apressada, de correria,

Quero distância – é fria!

Já tive mais “presença de espírito”,

Outrora, onde eu estava – eu era visto!

Antes, fazia valor meu ponto de vista,

Hoje, onde estou nem sou visto!

Compraz-me essa mudança,

Chegou a hora de recapitular a vida – na lembrança!

Apenas asserenou-se, meu pensamento,

Com ele, que é eu mesmo, vivo cada momento!

Estou ficando em paz comigo mesmo,

Conheço-me mais – não sigo a esmo!

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

VER DIFERENTE



Mente divergente

Mente de ver gente

Mente diferente

Gente diferente

Sente diferente

Mente deferente?

Mente irreverente!

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

JÓIAS IMPERECÍVEIS




Ouço sua voz no telefone,

Algo nela me faz lembrar um tempo

Em que fui muito feliz junto a alguém,

Cuja voz, o timbre, não a entonação,

Que esta está muito amadurecida,

Mas o timbre guarda a mesma melodiosa

Música que fazia a felicidade de minha alma.

Sim, minha querida, esse alguém é você,

Tenho certeza, a distância que nos separa

Não impede de reconhecê-la, assim como

Ao olhar nos meus olhos já sem o brilho

De outrora, você me reconhecerá neles,...

Nossos corpos perderam, da juventude, o viço

Com qual o deus Tempo se alimenta ávido

Em todo corpo, do mais simples ao mais bruto,

Desgastando-os lentamente, porém resoluto!

Mas, nós – Senhores deste Castelo de células,

Acumulamos riquezas,... Jóias cada uma mais valiosa

Que a outra... Agora, Na casa segura da maturidade

Não poupamos esforços em compartilhar esse tesouro

Com os seres – amores de nossos corações

E até mesmo com o Mundo todo, aprendemos

Que essas jóias só aumentam ao serem compartilhadas!

Amor de minha vida,... acho que na passagem

Do grande e misterioso rio dos muitos segredos,

Não nos faltarão víveres para saciar-nos a fome e a sede.

Na outra margem, reconstruiremos tudo de novo!

Agora é só esperar tranquilos a embarcação

Que, mais dia menos dia, apitará na curva.

DOLORES



Não chorarei Dolores,

Quando te fores.

Mandar-te-ei flores

De todas as cores.

Lembrar-me-ei dos amores

E dos dissabores.

Valeu os amores

Apesar das dores

Posteriores.

sábado, 20 de agosto de 2011

“MINHA BEATRIZ”





Conhecer-te foi como bater às portas de Dite,

Que levaram-me às profundezas do teu inferno,

Onde tu me prendes entre tuas muralhas de fogo,

Só para usar-me como peça de teu jogo.

Pela forma cruel com que tu me usas,

Tu deves ser a personificação de todas as Medusas,

E, porque tu me maltratas e não me liberas,

Tu és como todas as Megeras.

Como Dante na sua excursão além do Aqueronte,

Também tenho minha Beatriz,

Que logo me livrará desta prisão ultriz.

Então, para que eu tenha mais sorte,

Banhar-me-ei do Letes nas águas,

Limpar-me-ei de todas as mágoas

E, Junto de minha Beatriz,

Viverei para sempre feliz.



sexta-feira, 19 de agosto de 2011

POEMA: EXPRESSÃO ARTÍSTICA DA VIDA




A vida o poeta não interpreta: sente.

Seu grande desafio: codificar sensações.

Às vezes, se perde em meio às emoções,

Então, com a melhor das intenções: mente,

Ou finge, como disse o “poeta dos heterônimos.”1

Às vezes, vive o dilema de não saber se em seus poemas

Estão seus amores e suas dores ou de outro alguém.

Mas o poeta sente as dores e os amores do Mundo,

Então, que mal tem se finge sentir as dores de outrem?

Mas o poeta não fala só das dependências do coração,

Fala do estômago e sua dependência ao “arroz e feijão”.

Fala de religião, de problemas sociais, de idealismos;

Um poema pode ser o retrato da vida e seus mecanismos.

Um poema há de ser lido com mente e coração abertos;

Das amarras da língua, do preconceito, da interpretação

De sentido já feito, por isso, estreito, inteiramente libertos.

Para entender as antíteses e os paradoxos da dor e do amor,

Por exemplo, às vezes, há de calar a razão e falar o coração:

“Amor é fogo que arde sem se ver/É dor que desatina sem doer."

-Minhas deferências a ti “maior poeta do classicismo português”2

Desculpe este poeta menor que contigo só tem a aprender;

Mas, com uma boa exemplificação, basta falar uma vez.

O poema é uma forma artística de se conhecer a realidade.

Engano pensar poema como coisa de alienados da sociedade;

Também interessa ao estudioso, a quem ama o conhecimento,

E que, no exercício do intelecto, encontra contentamento

1. Fernando Pessoa

2. Luís Vaz de Camões

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

MAGNETISMO


Junto a você,

Sou qual limalha de ferro,

No campo de ação

De poderoso imã:

Atraído irresistivelmente

Para seus braços!

Sua ternura – força magnética,

Que me atrai!

Suas formas – o imã,

Que me prende!

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

terça-feira, 16 de agosto de 2011

“..., SE CORRER O BICHO COME”.




Corri, corri – pah!
A porta bateu na minha cara.
Corri, corri – pah!
Cheguei muito cedo.
Corri, corri – pah!
Cheguei muito tarde.
Corri, corri – pah!
Não vi o tempo passar. O tempo voa!
Corri, corri – pah!
Não vi meu amor passar. Passou?
Corri, corri – pah!
A Vida me pôs para sentar – Quatro horas, três vezes por semana.
Corri, corri – pah!
Meu pensamento não quer se assentar.
Corri, corri – pah!
Aonde esta correria vai me levar?
Corri, corri – pah!
Basta de correria. Correndo ou devagar, um dia – PAH.

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

MEUS CASTELOS DE AREIA

Quando nasci,
Foi-me dada uma missão:
Construir um lindo

Castelo!


Foi-me fornecida matéria prima em abundância: areia!
E como fator complicador: o vento forte.




Para que eu nunca desistisse, fui feito um ser ingênuo!
Assim, quantas vezes ruírem o castelo,
Tantas vezes, ingenuamente, o recomeço!

E, assim, vim construindo cas
telos de areia,




O último foi um dos mais lindos q
ue já havia construído
Até hoje: o reencontro do meu maior amor




E a inaudita experiência de conhecer um novo Mundo,

Incrível, estranho, maravilhoso, pelo qual fiquei fascinado:

O Mundo Virtual – fique apaixonado pelas pessoas, por tudo

Que constitui esse Novo Mundo



mas, era só mais um castelo
De areia.

O Vento forte chegou com tudo



E o castelo...

ruiu...

ME PERDOA............


COMO CONSIGO SER TÃO ESTUPIDA ...
A PONTO DE MALTRATAR O CORAÇÃO
DE QUEM EU MAIS AMO?



ME SINTO TÃO TRISTE...
TÃO INFELIZ....




TÃO MACHUCADA...
ME SENTINDO INCOMPLETA...
MEU CORAÇÃO TA PARTIDO......



MAS....
SE VOCÊ VOLTAR PARA MIM.........


ESSE MEU CORAÇÃO.....
VAI.....


SE ENCHER DE FELICIDADE NOVAMENTE.......

ELE VAI LITERALMENTE...

PULAR DE ALEGRIA.....

******************

VOLTA PRA MIM MEU GRANDÃO!!!!!!!!!!

SERÁ QUE VC NÃO PERCEBE...

O QUANTO....

EU....




PRECISO TANTO DE VOCÊ!!!



POSTADO POR TUA: MUSA MÁ










TUA AUSENCIA.....





SEM VC...TUDO PERDE A GRAÇA..O PORQUE...
SINTO TUA FALTA.....
ME SINTO UM NADA..ESQUECIDA..............
QUANDO TU ESQUECES DE MIM...
MEU SONO SOME...
MEUS OLHOS PESAM
O CORAÇÃO APERTA...
E A AGONIA VEM...
A SAUDADE SÓ CRESCE...
NÃO TENHO FOME
SABORES PERDEM A GRAÇA...
O RISO SOME...
PAISAGENS PERDEM A COR....
PERFUMES PERDEM O ODOR...
E TUDO FICA SEM UM PORQUE....
QUANDO ESQUECES DE MIM...
É INEVITÁVEL...
EU ME ESQUEÇO TAMBÉM...
SEM VOCÊ...
NÃO TEM...."EU"
NÃO TEM ..."NÓS"
E TUDO SE TRANSFORMA,
NUM IMENSO VAZIO......





POSTADO POR MUSA MÁ

domingo, 14 de agosto de 2011

HOMENAGEM AO MEU QUERIDO PAI!



Sobre "Um Homem de Opinião"





Não fosse a minha dificuldade de expressão,
não fossem estes sentimentos subjacentes,
estes pensamentos desconexos, eu gritaria ao mundo,
que tive o melhor pai do mundo.
Eu escreveria o mais belo poema de gratidão e respeito ao meu pai.
O título seria: O sensível homem de aço.
Eu escreveria um romance, cujo protagonista –
meu pai, seria um herói corajoso, forte, honrado...
Seria a história real de sua vida. O título seria: O homem cerne de aroeira.
Eu construiria um monumento que legasse à posteridade seu porte altivo,
do homem que enfrentou as grandes lutas corajosamente.
Eu colocaria, neste monumento, uma placa com a inscrição:
“Arregaçar as mangas. Enfrentar de unhas e dentes”.
Por ser essa a postura que meu pai sempre teve no trabalho... Na vida.
Eu escreveria a mais comovente crônica, narrando aquela inesquecível última noite;
quando seus olhos... Ah! Nunca me esquecerei seus olhos...
Me falavam tantas coisas e, tristemente, não as pude entender.
Fico a me perguntar, oh! Meu pai: no seu momento extremo, fui o apoio certo?
Falei às palavras que gostaria de ouvir?
Sinto-me com a sensação de que deveria ter feito mais...
Perdoe-me, pai.
Saiba que nunca o esquecerei e que lhe serei grato eternamente.




USA E ABUSA









Minha bela musa,

Porque me ama,

Usa-me e abusa!

Porque a amo,

Levo esta vida confusa

E, de nada reclamo!

Você diz: o futuro a Deus pertence!

Eu digo, quem não planeja não vence!

Nessa contenda,

Somos um casal sem emenda,

Nunca há ganhador ou perdedor,

Vence sempre – nosso amor!

sábado, 13 de agosto de 2011

TUDO PASSA VOCÊ PASSOU!





Foi o tempo em que eu sorria
Por causa do seu humor.
Foi o tempo em que eu sofria
Por causa do seu amor.
Você é uma pessoa fria
Esqueça-me, por favor.


DESABAFO



Quero da vida

A brisa suave

Que me acalente

O cansaço

De viver ao relento.

Trago minh’alma cansada

De uma longa jornada,

Trago cicatrizes profundas

De uma vida errante

Que outrora vivi.

Estou cansado

Da truculência da vida,

De pessoas que, sem ter consciência,

Glorificam a violência,

Depois choram as conseqüências.

Quero viver

Em outras paragens

Onde seja normal

Viver sem o mal,

Onde não se tenha

De sofrer tanta dor

Em nome do amor.

Quero fugir desta selva

De lobos famintos

Em devorar sentimentos,

De pessoas vazias

Que dia após dia

Vivem sua real hipocrisia

Como se fosse simples fantasia

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

VASSALOS DO AMOR (*)








Ondas do mar da vida

Se viste minha querida

Por Deus, que volte enquanto é cedo!

Água do mar salgada

Se viste minha amada

Por Deus, que volte enquanto é cedo!

Se viste minha querida

Aquela por quem dou a vida!

Por Deus, que volte enquanto é cedo!

Se viste minha amada

Que por mim foi magoada!

Por Deus, que volte enquanto é cedo!